Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Para quem se lembra, em Setembro do ano passado surgiu um projecto que atraiu multidões: o Phonebloks. Este projecto tem como objectivo criar um telemóvel/smartphone modular, isto é, cujas diferentes partes (câmara, processador, ecrã, colunas, etc.) possam ser compradas individualmente e substituídas. Assim, não será necessário comprar um novo telemóvel quando quisermos ter tecnologia mais recente, bastará comprar uma câmara melhor, se estivermos numa de fotografia. Por outro lado, se temos mais interesse em alta fidelidade, podemos dispensar totalmente a câmara e ficamos com espaço livre para colocar boas colunas de som.

Phonebloks 

Tudo isto evolui muito rápido. Em Outubro do ano passado, já tinham milhares de fãs e apoiantes e em Novembro já tinham conversado com vários fabricantes de smartphones e empresas, conseguindo arranjar parceiros. A Motorola foi uma delas. A empresa pertencente à Google, mostrou interesse em colaborar com a Phonebloks no desenvolvimento do Projecto Ara, que é basicamente a mesma coisa, um telemóvel baseado em módulos.

Começou-se, assim a desenvolver um protótipo.

Através de vários posts no seu blog, a equipa do Phonebloks foi conversando com a sua comunidade de apoiantes, pedindo ideias e opiniões e dando conta das novidades.

 

Eu só soube deste projecto hoje mesmo, mas pelos vistos isto já conta com uns 4 meses de evolução! E parece que vai mesmo para a frente, a Google não brinca em serviço!

 

Segundo o que li e percebi, há um kit (o Module Developers Kit, MDKque será a base do smartphone. Este pode vir a ser alterado pelos criadores ou por enventuais "contribuidores", que tenham boas ideias. O MDK está disponível no site do projecto e consiste em desenhos, especificações técnicas e eventual software que inclua a base (o "endoesqueleto", como a empresa lhe chama) do telemóvel. Os módulos serã desenvolvidos e adquiridos à parte. Em princípio, estes serão produzidos por outras empresas, especializadas nas várias áreas.

Projecto Ara

Os primeiros modelos base poderão chegar às bancas já no início do próximo ano. Estes serã à volta de $50 e terão só os módulos indispensáveis, podendo depois ser melhorados com a inclusão de mais/outros módulos. Além disso, poderá ser possível uma personalização estética, utilizando impressão 3D dos vários módulos.

 

Tudo isto promete! Vou estar atento. Para já fiquem com vídeo (longo) com uma conferência que revela o protótipo.

 

Fonte 1 | Fonte 2 | Fonte 3

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37

YotaPhone: a segunda geração

por M, em 01.03.14

Olá!

Como disse, tenho muito para vos contar e entretanto vão surgindo sempre novidades. A última foi durante esta semana. É início do ano e as empresas já andam a mostrar muitos protótipos de produtos que vão lançar durante este ano. A YotaDevices é uma delas.

 

Já há uns meses falei do YotaPhone, um smartphone que incorpora tecnologia de papel electrónico em conjunto com LCD. Ou seja, um telemóvel dual-screen bastante promissor em termos de poupança de bateria e revolução na indústria dos telemóveis.

No Congresso das Tecnologias Móveis (tradução adaptada do inglês - Mobile World Congress, MWC) de 2014 foi apresentada a 2ª geração deste aparelho, bastante melhorada em termos de design, na minha opinião. Há também melhoramentos tanto no hardware como no software, acompanhando a evolução da tecnologia.

YotaPhone 2ª geração

O que mais gostei foi o aumento do ecrã de papel electrónico para a dimensão de 4,7'', com resolução de 960 x 450 px. Além disso tornaram-no completamente táctil (na 1ª geração era apenas uma faixa por baixo do ecrã). As funcionalidades estão aumentadas, já que podemos usar todo o ecrã para interagir, sendo agora possível atender chamadas, responder a mensagens, ler notícias no feed, etc., sem ter de mudar para o ecrã principal. Haverá também um power saving mode que permitirá usar apenas o papel electrónico, com o ecrã principal desligado. Isto é uma fantástica novidade e, como não me canso de dizer, vai, muito provavelmente, revolucionar a indústria dos telemóveis, porque a autonomia pode aumentar drasticamente. Em situações de pouca bateria, podemos mudar para o modo de papel electrónico e disparar a sua duração para talvez mais o dobro (se não fizermos chamadas, claro, porque aí não interessa que ecrã usamos). Basta só olhar para a autonomia dos e-readers para perceber o potencial que este telemóvel dual-screen tem.

 

Só para finalizar queria deixar-vos com mas algumas especificações do produto:

- Ecrã principal HD OLED 442 PPI de 5'' e resolução de 1920 x 1080 pixels;

- Processador Quad-core 2.3 GHz Qualcomm;

- Sistema operativo Android (não sei a versão, mas de certeza igual ou superior a 4.2)

- Camâra frontal de 2MP e traseira de 8MP;

- Conectividade: NFC, 4G LTE, WiFi, Bluetooth e GPS;

- Preço: Semelhante ao primeiro, ou seja, a rondar os €500.

 

A empresa pensa pô-lo no mercado ainda este ano, durante os últimos quatro meses do ano. O preço parece-me justo, é um telemóvel de bastante qualidade e talvez até de maior valor que os actuais topo de gama, porque oferece uma versatilidade nunca antes vista.

Vou a andar atento.

 

Por último deixo um hands-on com o YotaPhone 2 que não tem muita luz, mas dá para vê-lo a funcionar e mostra algumas funções.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56

A produtividade em Ipads deixa um pouco a desejar, já que as ferramentas para produzir textos, apresentações e folhas de dados raramente são totalmente compatíveis e ausentes de "bugs". Para visualizar os formatos do Microsoft Office, que são os mais comuns no que toca a trabalhos para a faculdade, a história repete-se. Há sempre qualquer coisa fora do sítio ou que nem sequer aparece. Isto não acontece com os tablets da Microsoft, os Surface, que são dos melhores para quem quer ter produtividade e portabilidade.

 

No entanto, parece que isto vai mudar. Segundo li, a Microsoft está prestes a tornar disponível uma versão do Office para o Ipad. Isto deverá ocorrer durante os primeiros seis meses do ano e poderá ser necessário fazer uma subscrição do programa Office 365.

Office Ipad

 Quanto à posição da Microsoft, tenho dúvidas quanto a esta "jogada". Podem ter bons ganhos, porque irão obrigar os utilizadores a subscrever um serviço pago. Contudo, o que não falta aí são "piratas cibernéticos" prontos para tornar disponível o Office à borla. Ou seja, a Microsoft perde o lucro das subscrições e perde o lucro da compra dos tablets Surface (que, diga-se de passagem, não devem ser assim muitos) porque os Ipads passam a ter a mesma produtividade.

 

Vamos lá ver. Para já parecem ser excelentes notícias para os detentores de um Ipad. Não sei se será compatível com todos os modelos. Logo se saberá à medida que as coisas forem avançando, mas pode-se assumir que os donos de um Ipad (não são poucos) não terão de esperar muito por um conjunto de programas decente e compatível para realizar os seus documentos.

fonte

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32

Já vamos com um mês de ano lectivo. Aposto que muitos ainda andam perdidos entre sebentas e mais sebentas, livros e mais livros, mas pouco tempo para tudo. É o mal de todos os estudantes. Depois perdemos tempo a organizar o estudo e quando vamos estudar ainda menos tempo temos. É essa a razão deste post.

 

Venho apresentar-vos uma maneira de organizar o tempo de estudo. É uma técnica nova para mim, mas que foi criada nos anos 80, por Francesco Cirillo. Chama-se The Pomodoro Technique® e não se aplica apenas a nós, estudantes. É uma ferramenta que pode ser utilizada na realização de qualquer tarefa.

 

Tudo começa com um temporizador, aqueles de cozinha, em forma de tomate. O seu limite máximo é 25 minutos.

Por isso, o tempo de estudo é organizado em ciclos de 25 minutos.

Durante esse tempo devemos focar-nos apenas na tarefa que decidimos executar, seja ler a sebenta, escrever o trabalho ou estudar a apresentação. Afinal, são só 25 minutos. Qualquer preocupação que nos ocorra, anotamos num papel.

Depois do temporizador terminar, fazemos uma pausa de 5 minutos. Utilizamos como quisermos: espreguiçar, beber um café, relaxar, etc. São 5 minutos para o cérebro se distrair.

Logo a seguir, voltamos à carga! E o ciclo repete-se.

Ao fim de quatro ciclos de 25 minutos, em vez de 5 minutos, faz-se uma pausa de 20 a 30 minutos.

Ao longo do tempo devemos ir anotando o número de ciclos que demorámos a executar a tarefa. Assim, vamos ganhando uma noção do tempo que demoramos a ler determinado número de páginas, por exemplo, e depois podemos estimar o quanto tempo levamos para executar uma futura tarefa.

 

Principais benefícios deste método:

1) Muito bom para quem é social (praticamente todos nós). Quando recebemos uma mensagem, um email ou um telefonema, geralmente, a pessoa pode esperar 25 minutos pela resposta. Podemos, então, completar os 25 minutos e depois virar a nossa atenção para os amigos.

 

2) Ajuda-nos a afastar distracções e, por isso, a ser mais eficientes no nosso estudo e a gastar menos tempo a fazê-lo.

 

3) Ganhamos uma noção rigorosa do tempo que demoramos a ler ou a escrever um certo número de páginas.

 

4) Podemos fazer um horário muito preciso do nosso dia-a-dia, definindo horas de estudo e planeando o tempo gasto em cada disciplina.

 

5) Acabamos por ter mais tempo para outras coisas de que gostamos: estar com amigos e família, fazer desporto, dormir (!).

 

Tudo isto nos ajuda a reduzir o stress da nossa vida académica, porque, no fundo, o estudo torna-se mais eficiente e o nosso tempo fica mais organizado.

 

Aqui fica o site oficial, que tem um vídeo explicativo e ainda um livro (para quem queira aprofundar mais):

pomodorotechnique.com

 

Fiquem também com um temporizador pomodoro online para cronometrarem o vosso tempo:

http://www.online-stopwatch.com/pomodoro-timer/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:36

Livros em dupla cadeia de ADN

por M, em 07.10.13

Parece que não é um post sobre e-readers, nem ebooks. Mas não anda longe. Desta vez trago-vos uma ideia engraçada e original de arrumar a nossa biblioteca. Ideal para quem gosta de decoração, de livros ou de ciências da vida.

Porquê ciências da vida? Porque a ideia é arrumar os nossos livros com a disposição de uma dupla cadeia de ADN!

Isto é conseguido através de uma estante desenhada por uma empresa italiana que dispõe os livros com essa forma.

O efeito criado é elegante e até bastante prático para poupar algum espaço.

Vejam como ficaria a vossa biblioteca:

 

 Estante ADN

 

Estante ADN

 

Fonte: http://laughingsquid.com/dna-bookcase-arranges-books-in-a-double-helix/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:26


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados




Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D